Grupo 2TM, do Mercado Bitcoin, investe em rodada de captação da CERC para o desenvolvimento do mercado de ativos digitais

banner-arrow

Negócio aproxima empresas com grande base tecnológica, ampla capacidade de registro, originação e negociação de ativos digitais

 

São Paulo, novembro de 2021 – O Grupo 2TM, holding que controla o Mercado Bitcoin, é uma das investidoras em uma rodada de captação concluída pela CERC, registradora independente especializada em recebíveis e a primeira autorizada e regulada a operar pelo Banco Central do Brasil. Uma parcela do aporte será destinada para desenvolver soluções para o mercado de ativos digitais. Além da 2TM, a rodada contou com o aporte de outros investidores que já estavam no negócio, o que confirma o alto potencial do mercado.

O investimento tem grande relevância estratégica para ambos os negócios. O principal objetivo da parceria é promover tanto o desenvolvimento e lançamento de produtos quanto a elaboração de propostas de evoluções regulatórias. Assim, a parceria tem o potencial de trazer escala e mais segurança para o mercado de ativos tokenizados.

Para a 2TM, é mais um avanço na construção de uma nova estrutura para o mercado financeiro, para tornar-se mais digital, acessível, disponível a todo momento e com liquidação no mesmo dia (em D+0). Para a CERC, representa a abertura de um novo canal para criação de produtos em conjunto com o Mercado Bitcoin, uma vez que ambas têm a tecnologia como pilar fundamental de negócio.

O investimento colocou juntos no negócio ex-executivos de Cetip, BM&F Bovespa e B3: Roberto Dagnoni, Reinaldo Rabelo, Marcelo Maziero, Cristiana Pereira, Amarilis Sardenberg, Fábio Dutra, investidor nos dois negócios através do fundo Parallax, além de Simone Acioli e Mauro Negrete, acionistas da 2TM. Todos com ampla experiência em projetos para mercados regulados e agora alinhados para construir a infraestrutura de mercado financeiro da nova economia.

“Acreditamos que este é somente o primeiro passo na direção da construção do mercado de capitais 2.0, com tecnologia baseada em ciência de dados e blockchain, contando com uma regulação. Enxergamos potencial absoluto para guiarmos juntos o mercado de criptomoedas para o mainstream do mercado, inclusive com investidores institucionais, que estão abertos a investir em outros tipos de criptoativos que tragam rentabilidade e segurança jurídica e operacional”, explica Marcelo Maziero, sócio-fundador da CERC.

O executivo ainda explica que o serviço de registro de ativos oferecido pela CERC se aproxima muito do modelo de uma clearing, já que envolve avaliação/confirmação, registro/controle de propriedade e direcionamento de pagamentos para um conjunto muito grande de ativos, incluindo os recebíveis de cartão e duplicatas.

“Esse investimento combina capacidades irreplicáveis das duas empresas. Juntas, elas podem oferecer infraestrutura digital aos mercados tradicionais com grande poder tecnológico, ampla capacidade de registro, originação e negociação de ativos digitais”, explica Roberto Dagnoni, CEO do Grupo 2TM. Ele reforça que a iniciativa está em linha com o plano desenvolvido em conjunto com o SoftBank, que investiu US$ 200 milhões na empresa em julho, para liderar a transformação do setor cripto na América Latina.

A combinação de ativos tradicionais com a tecnologia ligada ao Blockchain, já está sendo experimentada por outros players, como o Itaú Unibanco, um dos maiores bancos brasileiros, que largou na frente do mercado e foi o primeiro grande banco brasileiro a tokenizar um lote de recebíveis. A partir desse movimento, as empresas começam a estudar os ativos regulados existentes na CERC com grande potencial de serem tokenizados. “Isso entrará no roadmap para que, em 2022, seja possível anunciar os primeiros lançamentos em parceria com a 2TM”, afirma Maziero.

“Para os mais de 3,2 milhões de clientes da 2TM, que operam através da plataforma do Mercado Bitcoin, esse investimento poderá ser a porta de acesso a ativos com alto potencial de retorno e que antes estavam acessíveis apenas aos grandes players”, finaliza Dagnoni.

Essa é uma parceria entre duas empresas que possuem nas suas respectivas áreas de atuação a competência e credibilidade necessária para liderar a transformação da indústria de investimentos, com acesso mais democrático, maior segurança legal e operacional e muita eficiência.