Mercado Bitcoin lista fan token do São Paulo

banner-arrow

Exchange conta agora com quatro fan tokens de times brasileiros; ativo digital do Tricolor estará disponível na plataforma a partir do dia 16 de novembro 

 

São Paulo, novembro de 2021 – O Mercado Bitcoin chega à listagem do quarto fan token de time brasileiro. Depois do Sport Club Corinthians Paulista, do Clube Atlético Mineiro e do Clube de Regatas do Flamengo, agora, é a vez do São Paulo Futebol Clube. O ativo digital do Tricolor Paulista estará na maior exchange de criptoativos da América Latina a partir do dia 16 de novembro.

O $SPFC, ticker do ativo, foi lançado no dia 9 de novembro por US$ 2 pela Socios.com. Apesar desse preço de lançamento, não dá para garantir qual será o valor de negociação no dia da listagem. Para comprar o FT, o torcedor deve ser cliente do Mercado Bitcoin, mas não precisa fazer um depósito mínimo.

Bruno Milanello, executivo de novos negócios do Mercado Bitcoin, lembra que a exchange tem listado agora os tokens dos três clubes de maior torcida do Brasil. “O São Paulo tem a terceira maior torcida do Brasil, logo atrás de Flamengo e Corinthians. E a gente ainda tem o do Galo, líder do Brasileirão deste ano,” explica Milanello. Apesar de não ter tido ainda a possibilidade de jogar no Morumbi com capacidade total, por causa da pandemia, o São Paulo tem duas das 10 maiores bilheterias do Brasileirão deste ano.

Como todos os fan tokens, o do São Paulo permite o engajamento do torcedor por meio de votações ou a participação de eventos especiais. A primeira ação é uma enquete para os detentores dos tokens escolherem seis frases que serão posicionadas no anel superior do Estádio do Morumbi. O outro evento, ainda em andamento, é um quiz sobre momentos históricos do clube, o que possibilitará ganhar camisas autografadas e outros produtos oficiais.

Além de times brasileiros, o Mercado Bitcoin tem listado os fan tokens de algumas das maiores equipes do mundo, como PSG e Barcelona. A exchange ainda criou os tokens do Vasco e do Santos, que são lastreados no direito que os dois times têm sobre alguns jogadores que ele formou. A base desses ativos é  o mecanismo de solidariedade da Fifa, o qual estabelece que um percentual de até 5% sobre cada transferência do jogador seja retornado ao clube que formou esse profissional entre os 12 e os 23 anos de idade.